quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Jugulator


Não me despertas o interesse. Menos ainda recordo quem dizes ter sido, ou quem julgas que serás - se não souberes o que é a fé, acreditar, ou simplesmente a pura vontade incontrolável.
Indica-me a jugular do mundo,
e eu corto-a.

7 comentários:

Morgana La Folle disse...

Soberbo! Como dizes em tão poucas palavras estas coisas grandes?

Dark kiss

Gotik Raal disse...

Morgana,
como tens passado, Senhora do Lago?

Em resposta, não sei; continuo a acreditar que não me pertencem. Soltei-"as" com a mesma celeridade com que as encontraste.

Agora tenho que ir repousar para a sombra densa das tuas terras!

Um beijo, do
Gotik Raal

Frankie disse...

É esta beleza crua e fera de que és capaz que mais me encanta no que escreves...

Faço coro com a Morgana, claro: soberbo!

Morgana La Folle disse...

São poucos aqueles que não evitam as sombras densas das terras de Gore... Porém, ele acha-as repousantes...


Deixo-te aquilo que pensei ao ler a tua resposta.
And a kiss. A dark kiss.

Gotik Raal disse...

Frankie,

Encanto-me também com o mesmo, a beleza crua das feras - disseste-o bem!

Um beijo,

+
++
+
+

Morgana,

"Terras de Gore" tem um som encantatório; flui, como o sangue morno nas veias. E o que é denso abraça-nos!

Um beijo,
Gotik Raal

Leto of the Crows disse...

Oh, que saudades destas palavras ^^

Beijinhos!

Gotik Raal disse...

Olá Leto,

E eu digo o mesmo, mas das tuas :) Nada me falta nesta vida, que não o tempo. Uma coisa estúpida. Tudo o resto tenho, por defeito ou por excesso.

Mas lá irei.

Beijinhos, também
Gotik