sábado, 6 de fevereiro de 2010

A Foice



Desenhei um círculo perfeito e cortei sete caules de homem. Depois, retirei-me para a minha ínfima cela; o menor dos cantos negros do meu castelo. "Será isto, o pousio?"
Ardia uma vela e cedo se me acabou o ar. Estendi a mão e peguei na foice - o seu cabo ainda cálido, e
saí para o ar gelado da noite. Ou talvez fosse dia. Como nas trevas o sol não vinga - tanto me faz - é apenas tempo.
Então, desenhei um círculo perfeito e cortei sete caules de homem.

3 comentários:

witch disse...

Haverá algo que não tenha dito já sobre esta tua penosa demanda?
Porém, hoje, fico-me pelo sentir...


Kisss...

Gotik Raal disse...

Olá Witch,

Sentir é bom. Sentir é iludir a anestesia. Obrigado pelas tuas visitas.

Beijo, do
Gotik

MARNUNEFREI disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.